Sábado 23 de Janeiro de 3317

F. C. Porto em “poupança” venceu Moreirense e continua na peugada dos leões

Numa segunda parte da ronda 12 da Liga NOS em que dois jogos não se realizaram, o F. C. do Porto recebeu e venceu o Moreirense, numa partida em que se “poupou” na posse de bola e foi mais lesto nos remates, chegando a um 3-0 sem “espinhas”.

Pedro Trindade / LP

Pedro Trindade / LP

Mas a verdade é que o triunfo só se cimentou nos últimos minutos do jogo, com um único golo obtido (22’) por Sérgio de Oliveira, na conversão de mais uma grande penalidade (sem dúvidas), ainda que com alguma felicidade (também se procura) porquanto o guardião da equipa de Moreira de Cónegos adivinhou o lado, lançou-se muito bem para a esquerda, tocou na bola – que levava “fogo” – e esta anichou-se no fim da rede da baliza.

No “intervalo” entre este golo mais ou menos madrugador e os dois últimos, ficou um intervalo de mais de uma hora, em que nada (golos) aconteceu, digamos assim, o que se deve a uma proximidade na posse da bola, com 57-43%.

Martinez (88’) – à segunda vez, porque antes (77’) tinha metido a bola na baliza do Moreirense, golo que não foi validado pelo árbitro – e Evanilson (90+1’) obtiveram os restantes golos, dando razão a um maior potencial para rematar (20-3, dos quais 7-2 para a baliza), confirmando um triunfo justo.

O Tondela jogou em casa e derrotou (1-0) o Famalicão, numa partida em que a felicidade esteve sempre pelo lado dos tondelenses que, em termos estatísticos, perdeu em toda a linha.

O Famalicão teve uma posse de bola muito superior (63-37%), 17-9 nos remates (dos quais 7-3 para a baliza), mas não “atinou” no caminho para a baliza, o que aproveitaram os tondelenses com um golo obtido (52’) por Gonzalez.

O Paços de Ferreira, ainda que tivesse vantagem nos remates (15-12, dos quais 4-2 para a baliza), soube ser mais acutilante, pese embora a posse de bola pendesse para os visitantes (56-44%), acabando por ganhar (2-0) ao Rio Ave, que marcou por Tanque (24’ e 56’).

Na outra ronda, o Boavista fez uma “boa” viagem até ao Funchal, porquanto conseguiu regressar com um empate, numa partida em que, bem vistas as coisas, o equilíbrio dominou, dando justificação ao empate.

O Boavista ganhou nos remates (10-9, dos quais 3-4 para a baliza), vantagem de rematar que foi aliada dos 60/40% de posse de bola para o Marítimo, mas que não conseguiu concretizar essa superioridade em golos.

O Santa Clara-Benfica foi adiado para esta segunda-feira (16 horas de Lisboa), considerando que o jogo foi interrompido aos 6’ de jogo devido ao temporal que se fez sentir, se bem que não se perceba a actuação do árbitro, dado que a “tempestade” já se fazia sentir antes do apito inicial.

O Vitória de Guimarães-Nacional foi adiado para dia 21 deste mês, face aos problemas de covid-19 que afectaram a equipa da Região Autónoma da Madeira.

Com isso, o F. C. do Porto passou a ter 28 pontos, isolando-se ainda mais do Sporting de Braga (que foi derrotado pelo Sporting), restando conhecer o resultado do Santa Clara-Benfica para ver como ficará a classificação da Liga NOS.

Para esta segunda-feira estão ainda marcados os jogos Gil Vicente-Belenenses SAD (19h) e Portimonense-Farense (21h15).

© 3317 Central Noticias. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.