Segunda-feira 16 de Junho de 1902

Avistamentos de caravela-portuguesa ao longo da costa portuguesa

GelAvista_Caravela_Portuguesa_Tania_LealO número de avistamentos de caravela-portuguesa (Physalia physalis) comunicados ao programa de monitorização de organismos gelatinosos na costa portuguesa (GelAvista), do IPMA, tem vindo a aumentar ao longo desta última semana, quer nos Açores, quer no continente, onde se verificam ocorrências desde Espinho a Sines.

O IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera, informa em comunicado que “Sendo a espécie gelatinosa mais perigosa que ocorre no país, importa ter presente os cuidados a adotar em caso de contacto acidental com uma caravela-portuguesa:

• Lave a zona afetada cuidadosamente com água do mar sem esfregar;

• Remova possíveis vestígios da pele com uma pinça;

• Aplique compressas quentes (40º C) durante 20 minutos ou vinagre sem diluir;

• Procure sempre um profissional de saúde.

O IPMA alerta para o modo de atuar se detetar uma caravela-portuguesa no areal ou no mar, “não lhe toque e informe as pessoas que se encontram nas imediações. Localizadas nos tentáculos, as suas células urticantes são capazes de causar queimaduras severas, mesmo após a morte do animal.”

O projeto de ciência cidadã GelAvista realiza, desde 2016, e desafia os cidadãos a contribuir para o desenvolvimento da ciência através da comunicação de avistamentos das espécies que ocorrem no país.

A participação na monitorização de gelatinosos em Portugal é simples. Basta enviar a informação dos avistamentos através da App GelAvista ou para plancton@ipma.pt, partilhando o local, data e hora, o número estimado de organismos observados e, uma fotografia que permita a identificação da espécie (se possível junto de um objeto que sirva de referência de escala).

https://www.facebook.com/gelavistaoficial

https://tinyurl.com/abs2k4n3

https://tinyurl.com/4e5yxhwt

© 1903 Central Noticias. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.